"O mais importante na ciência não é encontrar novos factos, mas sim descobrir novas maneiras de pensar sobre eles"
William Lawrence Bragg
Página inicial

Porquê o PGCD?

 

A educação é talvez o maior motor do desenvolvimento económico e social de um país. Os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) e Timor-Leste revelam ainda baixos níveis de desenvolvimento, incluindo baixas taxas de literacia, sérias limitações infra-estruturais e uma grave falta de quadros com boa preparação técnica e científica.

Existe uma necessidade urgente de formação de recursos humanos que possam, a curto prazo, contribuir para a melhoria da qualidade da educação e investigação científicas e, a médio e a longo prazo, atenuar o diferencial científico, tecnológico e económico entre os PALOP e Timor-Leste e os chamados países desenvolvidos.

Acreditamos que através da formação de uma nova geração de cientistas e professores universitários de excelência, podemos ajudar os PALOP e Timor-Leste a saírem do ciclo de pobreza em que estão actualmente inseridos. Através da investigação e do conhecimento, os cientistas e os professores podem ajudar no desenvolvimento dos seus países de origem e formar novos professores. Estes professores estarão cada vez mais bem preparados para transmitirem os seus conhecimentos aos estudantes, tanto nas universidades como nas escolas. Para que no futuro, estes estudantes possam também vir a ser os melhores cientistas e professores.

O que é o PGCD?

O Programa de Pós-Graduação Ciência para o Desenvolvimento (PGCD), é um programa inovador que prepara alunos dos diferentes PALOP e de Timor-Leste para seguirem uma carreira científica, particularmente na área das Ciências da Vida, tornando-os professores de excelência das novas gerações de estudantes africanos e timorenses.

O PGCD tem três objectivos principais:

1) Formar uma nova geração de cientistas timorenses e africanos de expressão portuguesa, dando-lhes a oportunidade de estudar e praticar ciência avançada;

2) Melhorar a qualidade da investigação científica e do ensino das ciências nos PALOP e em Timor-Leste;

3) Usar a ciência e a tecnologia como ferramentas para o desenvolvimento.

Este é um projecto ambicioso, que se quer da maior qualidade, e só pode ser bem sucedido com o empenho e a dedicação de toda a comunidade científica e académica de língua portuguesa. Com a convicção de que o PGCD é de interesse estratégico não só para os PALOP e Timor-Leste mas para toda a sociedade, convidamos todos a fazer parte deste projecto.

 

Estrutura do PGCD

 
 

 A quem se destina?

Aos melhores e mais motivados licenciados e mestres, incluindo docentes universitários em início de carreira, originários de África e de Timor-Leste. São considerados candidatos com formação em todas as áreas científicas naturais, exactas e tecnológicas.

Como é feita a selecção dos alunos?

Através da análise de currículos, cartas de motivação e entrevistas. Cerca de 20 alunos podem ser seleccionados por ano.

Qual a estrutura do programa?  

Aproximadamente um ano de aulas, que têm lugar na Cidade da Praia, Cabo Verde, seguindo-se a possibilidade de um período de investigação (de 40 meses). Este é dividido entre os países de origem e o estrangeiro e tem como objectivo conduzir a teses de doutoramento.

Quais os temas a cobrir?

O programa pretende oferecer uma boa formação de base nas ciências da vida, mas dá uma atenção particular a Biologia de Plantas, Recursos Marinhos e Doenças Tropicais. Para além do currículo científico o PGCD oferece um curso de inglês, a língua franca da ciência. Os currículos dos cursos são desenhados em colaboração entre a direcção do PGCD e os professores responsáveis por cada módulo. São gerais, representando o que de melhor e mais actual se faz nas diferentes áreas, sem descurar as necessidades e possibilidades locais.

E quem dá as aulas?

Porque a ciência é uma actividade dinâmica e os currículos científicos necessitam de actualização constante, o PGCD não tem um corpo docente permanente. As aulas são dadas por professores e cientistas de expressão portuguesa, voluntários e excelentes na sua área de especialidade. Ao longo das primeiras edições, mais de uma centena de professores já se deslocaram à Cidade da Praia para leccionar em regime de voluntariado, vindos de mais de 60 instituições diferentes na Europa, África, Américas e Oceânia!

 

Como participar? 

 
Como concorrer?
 

Esperamos abrir candidaturas para a quarta edição do PGCD em 2016. Por favor visite a página para mais informações ou envie-nos um email para pgcd@igc.gulbenkian.pt.

Como ajudar?

Se acha que pode ajudar, quer como professor, quer como apoiante, quer como patrocinador por favor escreva-nos para pgcd@igc.gulbenkian.pt.